Motorista que levou PM até local onde matou jogador da seleção de hóquei é preso em SP

0

Polícia apura eventual participação do condutor no crime. Policial militar foi preso após confessar execução.
A polícia prendeu o motorista de um aplicativo que transportou o policial militar Jarbas Colferai Neto, de 23 anos, até o local da execução do jogador da seleção brasileira de hóquei Matheus Garcia Vasconcelos Alves, de 24 anos, em São Vicente, no litoral de São Paulo. O condutor pode ter participação do crime.

Matheus foi baleado na nuca, na noite de segunda-feira (18). Ele foi encontrado ainda com vida na Rua Nicolau Guirão Perez, no Centro da cidade, e levado às pressas ao Hospital Municipal, mas não resistiu aos ferimentos. Na mão dele, havia um carregador de celular, mas o aparelho não foi encontrado pela polícia.

O pedido de prisão temporária de 30 dias foi atendido pela Justiça na sexta-feira (22). No entendimento do juiz Rodrigo Barbosa Sales, a partir da investigação da polícia, o motorista ainda oculta informações que podem elucidar o ocorrido. A execução foi flagrada por câmeras de monitoramento.

Segundo a polícia, a arma utilizada no crime e o moletom que o policial vestia ficaram com o motorista, que escondeu o material. Os objetos não foram encontrados. A ordem de prisão foi cumprida no mesmo dia que decretada pela Justiça por policiais do 1º Distrito Policial de São Vicente, por onde acontecem as investigações.

O crime
A execução foi motivada por ciúmes, uma vez que Jarbas desconfiava o envolvimento da namorada, com quem mantém um relacionamento há quatro anos e tem um filho, com o atleta. Entretanto, a polícia verificou que não houve qualquer traição e que o policial fantasiou a situação, que terminou com o crime.

“Ele [Jarbas] confessou e deu muitos detalhes da ação. Alegou uma motivação passional, disse que a vítima perseguia a companheira dele. Por conta disso, no entendimento dele, ele fez o que fez”, explicou o delegado Carlos Schneider. A vítima e a jovem, namorada do policial, eram amigos, segundo a polícia.

Para a emboscada, os investigadores apuraram que o PM criou um perfil em uma rede social e se passou pela jovem. O policial manteve conversas constantes com a vítima, durante seis meses, e finalmente conseguiu convencê-la de um encontro. O local escolhido era a casa de uma suposta prima, em São Vicente.

Foram necessárias 12h para que o crime fosse elucidado, com auxílio de imagens de câmeras. Jarbas está lotado no batalhão da PM na cidade e foi preso pelo próprio comandante, antes de ser levado à delegacia. Contra ele há um processo de exoneração, já que é investigado por envolvimento com o tráfico de drogas.

Fonte: G1

Share.

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: