Hora de aceitar: “Jon Jones é o melhor lutador de todos os tempos”

0

Vitória sobre Daniel Cormier no UFC 214 não deixa margem para discussão

Por: Gabriel Moreira Neves

Em quase todos esportes, há uma forte discussão sobre quem seria o melhor de todos os tempos. Debates entre os mais saudosistas e os amantes do esporte moderno fomentam comparações entre Messi e Pelé, Michael Jordan e LeBron James, Ayrton Senna e Michael Schumacher… Acontece que no MMA, cada dia fica mais difícil haver qualquer tipo de controvérsia nesse sentido. Sim, caro amigo. Você, fã de MMA, pode falar sem medo de errar: estamos vendo o melhor lutador das artes marciais mistas de todos os tempos!

Se existisse um Monte Olimpo do MMA, nomes como Anderson Silva, Fedor Emelianenko, Georges Saint-Pierre fariam as vezes de Hades, Poseidon e Ares. Mas o nosso Zeus não pode ser outro senão Jonathan Dwight Jones. Bones lutou contra os melhores contra quem podia lutar e venceu todos. E, como bem asseverou Renato Rebelo, do Sexto Round, em sua única derrota na carreira, nosso herói estava montado, dominando completamente seu adversário (acabou derrotado por desqualificação, ao aplicar cotoveladas ilegais no ground n’ pound).

É claro que Anderson, Fedor e GSP cravaram seus nomes na história ao dominarem suas respectivas categorias por um longo tempo. Mas é impossível fechar os olhos para um homem que teve seu braço levantado diante de nomes como Maurício ‘Shogun’, Lyoto Machida, ‘Rampage’ Jackson, Rashad Evans, Vitor Belfort e Daniel Cormier (duas vezes), apenas para citar os ex-campeões do Ultimate (seu cartel ainda contempla performances vitoriosas diante de Ryan Bader, Alexander Gustafsson e Glover Teixeira).

A última vitória diante de Daniel Cormier, então campeão da categoria dos meio-pesados, apenas confirmou o lugar de Jon Jones na história. ‘DC’ encontrava-se ativo, no auge de sua forma, e acabou sendo nocauteado pela primeira vez em sua carreira justamente por seu ‘Nêmesis’, que estava parado e vivia momento conturbado, ao estar envolvido em sucessivas polêmicas incluindo ser preso e ser pego no exame anti-doping. Nada disso pôde abalar a confiança e o coração do campeão mais jovem da história do UFC e que agora retoma o seu cinturão.

E como um verdadeiro campeão, ele não quer para por aí. Jones, focando cheques mais gordos, passa a mirar Brock Lesnar, num eventual duelo de gigantes que muita gente pagaria pra ver. Um cenário de Jon Jones nos pesos pesados – há muito cogitado – passa a se tornar cada vez mais factível. Se ele terá o mesmo sucesso que teve nos meio-pesados, só o tempo dirá…

Share.

Comments are closed.